Mito ou fato

A intensidade dos exercícios deve ser reduzida quando a temperatura estiver alta?

Descubra se essa estratégia realmente funciona.

Então você está treinando e percebe que o seu corpo está muito quente – ou seja, passou daqueles 36,5 graus que nos fazem tão bem. A melhor alternativa é diminuir a carga de exercícios para regular a temperatura?

Não é bem assim. A ideia, em grande parte, é mito.

De fato, quanto mais intenso o exercício, mais quente fica o nosso corpo. Mas só reduzir a intensidade da atividade não é o suficiente e algumas vezes nem é necessário: caso o seu corpo esteja acostumado a treinar nesta temperatura e você tome as precauções necessárias, é possível até mesmo manter o ritmo.

Sim, a atividade muscular aumenta a temperatura, mas a eficiência da nossa máquina de resfriamento, volume de suor produzido e capacidade de evaporação dele é o que vai garantir que você fique numa boa. Uma pessoa bem preparada consegue treinar normalmente no calor; já quem está mal condicionado pode ter problemas até com treino reduzido.

Outro fator importante é a adaptação. Estar habituado com o clima em que se vai fazer exercício torna mais eficiente a liberação de calor pelo corpo. Pesquisadores britânicos mostraram que pessoas acostumadas a correr a uma temperatura de 32ºC tiveram melhor desempenho do que aquelas que apenas tomaram medidas preventivas (beber bastante água etc.) antes de correr nessa temperatura.

O essencial é investirmos nos mecanismos que diminuem a temperatura no nosso corpo em vez de apenas nos concentrarmos no calor que ele produz. Roupas leves, boa hidratação e usar protetor solar (pele queimada atrapalha o suor) ajudam a resfriar o nosso corpo. Afinal, o importante é manter aquela temperatura de verão permanente, né?