Fotografia

Como usar o diafragma

Ele é a pupila da câmera e saber usá-lo faz toda a diferença na qualidade da foto

Já notou como fotógrafos profissionais fazem algumas fotos maravilhosas no qual apenas um ponto da imagem fica em destaque e o resto fica desfocado? Esse efeito é conseguido com o uso do diafragma, uma importante ferramenta das câmeras profissionais.

O diafragma é mais ou menos como a pupila das câmeras. Ele pode “dilatar” ou “contrair” para receber uma determinada quantidade de luz. Assim como os nossos olhos dilatam as pupilas em um ambiente mais escuro para enxergarmos, um diafragma mais aberto consegue receber mais luz quando não há grande iluminação.

O diafragma tem como medida básica o “f/stop”. Ele trabalha com a lógica de proporção inversa. Quanto maior o número, mais fechado está e mais escura ficará a imagem. Uma foto em f/1 receberá muito mais luz do que uma f/4.

Mas então por que todas essas técnicas de iluminação se é só mexer no diafragma para ter menos ou mais luz? É porque essa ferramenta também controla outra função muito importante nas nossas fotos: a profundidade de campo.

Quanto maior a abertura, mais luz entrará, mas o foco será menor. Pense em alguém jogando bola em um dia nublado: com um diafragma fechado, a foto provavelmente vai ficar escura, mas você terá um bom foco da bola, do jogador e do que estiver ao fundo. Com o diafragma mais aberto, a foto ficará melhor iluminada, mas ou a bola ou o jogador ficarão embaçados.

Esse efeito não é necessariamente ruim, já que com ele podemos tirar “distrações” das nossas fotos. Entretanto é necessário saber qual a melhor combinação de luz/foco para termos a foto perfeita.